Sunday, July 30, 2006

Domingão Musicálico

Para comemorar meu sumiço aqui do blog, trago hoje um singelo "mega-post" com alguas das bandas que mais tenho ouvido ultimamente e algumas novidades.

Stars - Set Yourself On Fire

Image Hosted by ImageShack.us

Não sei se é apenas eu, ou nós, os ligados na cena "indie", temos ouvido muitas bandas canadenses ultimamente? Quero dizer, ano passado Arcade Fire, Broken Social Scene, The New Pornographers e Wolf Parade explodiram na cena, o primeiro inclusive se tornando popular o suficiente para dar uma passadinha aqui no Brasil. Mas talvez a jóia rara dessa safra estivesse um pouco ofuscada ao meu conhecimento até meados desse ano. O Stars, banda baseada em Montreal, conta com dois dos integrantes do BSS, e com o terceiro e melhor álbum de sua carreira lançado em 2004 consegue estabelecer uma espécie de harmonia quase perfeita entre o indie pop experimental recheado de sintetizadores, sax, trombones, violinos e toda aquela parafernalha que preenche intrínsecamente melodias desse gênero que tanto amamos com um lirismo delicado, emotivo, de considerável leveza e incontestável beleza.
A faixa de abertura: "Your Ex-Lover Is Dead"exemplifica umpouco disso com tímidos e tocantes orquestramentos recheados com a delicadeza da melodia cantada harmoniosamente por Torquill Campbell e Amy Millan que revezam os vocais. "Set Yourself On Fire", a faixa título, começa com um electro-pop levado por uma sólida linha de baixo para depois finalizar em quase 2 minutos de doces e íntimos acordes de piano mesclados à voz suspirante de Torquill Campbell que consegue amolecer até os corações mais gélidos. Várias outras músicas mostram a competência dessa banda em construir firmes e cativantes canções pop, remetendo ecos de bandas que cantavam o amor em meio a new wave (como New Order ou até os Smiths) e de outras como os Delgados. Em "He Lied About Death", rápidas batidas eletrônicas deixam o ouvinte preso ao ritmo e inúmeros detalhes favorecem ao êxito da canção em guiar-nos até uma explosiva e suja saxofonia quase psicodélica. Como eu li em um de seus reviews, Set Yourself On Fire pode se tornar seu álbum favorito e Stars pode rapidamente se tornar uma das suas bandas mais adoradas.

mp3: Your Ex-Lover Is Dead
mp3: He Lied About Death
mp3: Ageless Beauty

The National - Sad Songs For Dirty Lovers/Alligator

Banda de Brooklyn via-Cincinnati, o quinteto é um dos mais sólidos grupos que tenho ouvido ultimamente. Com músicas que misturam principalmente o pós-punk melancólico Joy Division-like (o vocalista Matt Berninger é outro dos muitos com voz de Ian Curtis) com folk e indie rock, as letras se prezam basicamente de falar sobre corações solitários, dívidas amorosas, sonhos perdidos e desvaneios sentimentais. E como poucas bandas, o conseguem cantar muito bem de forma a terem sempre melodias que acompanham perfeitamente o clima melancólico da grave voz de Matt. The National é uma das melhores bandas da atualidade, sem dúvida, mesclando força com fineza, e a banda consegue mesclar um balanço belíssimo em suas músicas.
Sad Songs For Dirty Lovers, segundo álbum da banda, conta entre outros destaques com 90-Mile Water Wall, que lembra um Johnny Cash em sua fase mais obscura acompanhado de violinos ao estilo música country, que constroem uma melodia linda e tocante. Já em Alligator, um dos álbuns mais aclamados pela crítica no ano passado, Secret Meeting é um íntimo desvaneio ("I have a secret meeting in the basement of my brain...") que soa bastante pós-punk, enquanto The Geese Of Beverly Road é uma das mais doces canções de amor que já ouvi ("Come be my waitress and serve me the sky tonight... Serve me the sky with a big slice of lemon").

mp3: 90-Mile Water Wall
mp3: Slipping Husband
mp3: All The Wine
mp3: Secret Meeting (Live)

Nick Drake - Pink Moon

Image Hosted by ImageShack.us

Acho que esse disco dispensa maiores comentários. Simplesmente o melhor de folk que eu já ouvi. Leve, íntimo, melancólico, doce, suave... São inúmeros os adjetivos que podem descrever essa obra-prima de mais pura beleza que saiu das mãos de Nick Drake meses antes de sua morte (ou suicídio, como muitos afirmam).

Download: Pink Moon (1974)
(senha: musicaparatodos)

Guillemots - We're Here EP

Atendendo à pedidos fiz o upload novamente deste maravilhoso EP da melhor banda de 2006. Mais detalhes sobre o mesmo umpouco mais abaixo aqui neste mesmo blog. Para baixar, clique aqui

Whiskeytown - Faithless Street

Estou começando a me apaixonar pelo chamado "alternative-country" norte-americano. Esta banda, que revelou Ryan Adams à cena musical, traz nesse álbum sua dita melhor empreitada musical. Belas canções, que falam sobre a vida americana bem aos moldes dos melhores discos de Neil Young and The Crazy Horse.

mp3: 16 Days (Live)
mp3: Excuse Me While I Break My Own Heart Tonight (Live)

Agora alguns comentários esparsos: A revista mais chata sobre música na internet, a Pitchfork, deu 8.3 ao Through The Windowpane dos Guillemots, o que pra mim é o melhor disco do ano. Colocaram tal disco inclusive na seção "Best New Music", dizendo que
"the quartet improve exponentially on their recent mini-LP (From The Cliffs), crafting an ambitious debut full-length that's never meager, and hardly ever mundane."

Outro clássico que só fui ouvir da primeira vez essa semana é o "The Who Sings My Generation" de 1966. À primeira ouvida um puta dum discaço, que promete se tornar logo o meu favorito da banda britânica. É incrível a capacidade do Keith Moon em colocar grooves e complicar o ritmo do seu toque na bateria até nas músicas mais tolas e pop do disco.

Pouco a pouco o disco solo do Thom Yorke, "The Eraser", tem crescido na minha preferência. Apesar do disco consistir basicamente em Yorke cantando suas letras que falam de solidão ou às vezes de política em meio a batidas eletrônicas e riffs provavelmente mixados por ele mesmo frente ao seu laptop, não se pode contestar a maestria que o mesmo tem ao fazê-lo. Músicas como Harrowdown Hill e Black Swan são alguns dos destaques.

Image Hosted by ImageShack.us

The Pipettes é uma das coisas mais divertidas a aparecerem na música nos últimos anos. O trio de gatinhas indie-twee misturam 60s rock, electro-pop, disco em moldes muito bem sacados para cantar suas músicas feministas onde brincam com a imaginação masculina. O mais legal ainda é o visual das garotas com seus cabelinhos retrô e seus vestidos de bolinha.

Sonora Music Festival (antigo Curitiba Rock Festival) confirmou We Are Scientists, Razorlight e Fiery Furnaces no line-up, entre algumas outras bandas que não tenho ainda conhecimento. Uma pena a idéia do festival ser nos dias 02 e 03 de setembro. Com Cardigans e Gang Of Four aqui em Floripa na semana seguinte e Franz Ferdinand e Art Brut duas semanas depois em Sampa não vai ter jeito mesmo. Resta continuar ouvindo o ótimo With Love And Squalor, dos barulhentos nerd rockers nova-iorquinos do We Are Scientists.

Uma banda que tem prometido muito é a norte-americana entitulada Arizona. Pronta para lançar o seu primeiro disco nas próximas semanas, suas músicas vieram à meu conhecimento através do blog iGiF e na última semana algumas outras músicas ficaram disponíveis no iTunes. Indie Rock de primeiríssima qualidade, alguns dizem que o disco Welcome Back Dear Children pode se tornar rapidamente próximo fenômeno da cena (como Funeral do Arcade Fire em 2004 e o álbum auto-entitulado do Clap Your Hands Say Yeah! no ano passado).

Depois de tudo isso me despeço avisando que semana que vem estarei realizando um mini-curso de Crítica Musical ali na UFSC durante a Semana do Jornalismo. Vamos ver se então essa merda de blog começa a ficar um pouco mais decente :D

mp3: Guillemots - Annie Let's Not Wait
mp3: The Pipettes - You Kisses Are Wasted On Me
mp3: Thom Yorke - The Clock (Live)
mp3: We Are Scientists - Inaction
mp3: Arizona - Surviving The Savior

Thursday, July 13, 2006

Dia Mundial Do Rock

É realmente uma felicidade ter nascido no dia mundial do rock'roll. Felicitado como estou por completar 19 aninhos neste dia 13 de julho de 2006 não poderia deixar de postar algumas palavrinhas sobre meu estilo musical favorito que também representa toda uma universalidade musical que nenhum outro estilo conseguiu atingir. E usando minha ignorância e pouco conhecimento vou tentar sintetizar de alguma forma uma breve história do roquenrou por aqui.

As origens do rock remetem à ritmos tipicamente norte-americanos. O Blues, a música Country e o Rythmn & Blues são os gêneros mais notáveis dentre aqueles que se fundiram apara o nascimento do novo estilo. Quanto ao primeiro autêntico disco de rock'n roll, se desprendem milhares de debates mas nunca se chega a um consenso. A revista Rolling Stone considera o single That's All Right (Mama) de Elvis Presley lançado em 1954 como o primeiro disco do gênero. Na mesma década, vários artistas que recriavam os mesmos elementos do aclamado Rei do Rock emergiram como ídolos de uma geração aficcionada de jovens. Little Richard, Jerry Lee Lewis, Buddy Holly, Johnny Cash entre outros. Este último, inclusive, levou o rock a uma linha mais intimista e melancólica, com ecos da música gospel e country. O que viria a inspirar muitos artistas como Bob Dylan na década de 60 com o chamado Folk Rock.

Ainda nos anos 60, o Rockabilly norte-americano iria aportar na inglaterra originando o britrock, levado à glória pelas mãos dos quatro rapazes de Liverpool, os Beatles. A incrível capacidade de escrever músicas universais o quanto podiam de Paul McCartney e John Lennon levaram o mundo inteiro a vivenciar a Beatlemania. Outras bandas seguiriam essa linha, como The Who, The Kinks e os Rolling Stones. Na américa do norte a surf music dos Beach Boys era a última moda no rock. Um pouco mais tarde, na mesma década, com as drogas metidas em meio ao roque, surge o rock psicodélico. O Beatles também foram um dos grandes nomes desse gênero, e novas bandas como The Jimmy Hendrix Experience, Pink Floyd, The Doors e Os Mutantes aqui no Brasil traziam força ao movimento. Outro subgênero que merece ser citado é o blues rock de bandas como Yardbirds e Cream.

Na década de 70, o hard rock está em alta com Led Zeppelin, Black Sabbath e AC/DC como carros chefes. O punk rock também começa a dar as caras com o MC5 para depois surgir com tudo nos EUA (Ramones) e na Inglaterra (Sex Pistols) como não só uma forma de fazer música sem frescuras, mas também como um movimento de atitude. O Heavy-Metal nasce das mãos de bandas como Iron Maiden e Helloween.

Os anos 80 trazem o pop refinado do U2, surge a new wave misturando elementos eletrônicos ao rock com bandas como New Order e Depeche Mode. O Pós-Punk de Joy Division, Echo & The Bunnymen, Talking Heads, The smiths surge com batidas mais obscuras e novos elementos experimentais. O glam-rock também tem seu auge nos anos 80, com o sucesso de bandas como Kiss e Guns N'Roses. Já para o final dos anos 80, o rock alternativo começa a dar seus primeiros passos com bandas como Dinosaur Jr., Pixies, Mudhoney e Sonic Youth.

Nos anos 90 então vê-se a explosão da cena alternativa. Especialmente do grunge que sai de Seattle representado por inúmeras bandas. Nirvana, Pearl Jam, Alice In Chains, Soundgarden iniciam outro movimento não só musical, mas tambem de atitude. Na Inglaterra surgem os "shoegazers", roqueiros barulhentos que tocam olhando para os pés o tempo todo (daí o nome do gênero), representados em especial por My Bloody Valentine e Jesus And Mary Chain. O experimentalismo volta a ganhar espaço com bandas como Super Furry Animals e Flaming Lips, e o Radiohead talvez represente o principal nome do rock na década pela inovadora capacidade de Thom Yorke como compositor. O britrock volta a ganhar espaço com Stone Roses, Oasis, Blur, The Verve e Supergrass dominando a cena britânica.

Já agora na década que vivemos o Radiohead continua a inovar. O rock independente ganha muito espaço devido a era da internet e da troca de músicas rápida via web. Bandas como Wilco, Modest Mouse, Death Cab For Cutie, Spoon, Camera Obscura são alguns dos principais nomes do chamado "indie". No mainstream, uma mistura de punk, rock dos anos 60 e arte traz uma leva de novas bandas ditas como "salvadoras do rock": Strokes, The Rapture, Libertines, Franz Ferdinand são alguns dos nomes mais importantes do chamado "art-rock".

E assim caminha o estilo mais abrangente de todos, que pode servir como uma forma de evasão, protesto, confissão e pode embalar desde os momentos mais tristes aos momentos mais felizes das nossas vidas. O Rock'n Roll, ainda, não acabou.

Download: O Melhor Do Rock segundo El Beatle Mexicano (.rar)

Tracklist:

1. Elvis Presley - Jailhouse Rock (2:37)
2. Johnny Cash - I Walk The Line (2:38)
3. The Beatles - Eight Days A Week (2:45)
4. Bob Dylan - All Along The Watchtower (2:33)
5. The Beach Boys - Sloop John B (2:59)
6. The Rolling Stones - Wild Horses (5:43)
7. Led Zeppelin - Rock and Roll (3:40)
8. Pink Floyd - Time (7:05)
9. Mutantes - A Minha Menina (4:40)
10. The Who - Baba O'Riley (5:01)
11. U2 - Sunday Bloody Sunday (4:40)
12. Talking Heads - Heaven (4:00)
13. Joy Division - Love Will Tear Us Apart (3:27)
14. The Smiths - How Soon Is Now? (6:46)
15. Pixies - Monkey Gone to Heaven (2:55)
16. Sonic Youth - Dirty Boots (5:29)
17. My Bloody Valentine - Only Shallow (4:17)
18. Pearl Jam - Daughter (3:55)
19. Supergrass - Sun Hits The Sky (4:55)
20. Super Furry Animals - The International Language Of Screaming (2:14)
21. Radiohead - The National Anthem (5:51)
22. Wilco - Poor Places (5:18)
23. The Strokes - Last Night (3:15)
24. Franz Ferdinand - Darts of Pleasure (3:01)
Syd Barrett

Image Hosted by ImageShack.us

A recente morte de um dos fundadores do Pink Floyd trará à tona novas discussões sobre seu abuso com as drogas, o mistério envolvendo sua abstinência da música e enfim, sobre a lenda que ele foi durante o nascimento do rock psicodélico. Mas uma coisa é indiscutível, mesmo sua loucura não tira o talento de sua contribuição, mesmo que curta, ao rock.

Durante a gravação de The Piper At The Gates Of Dawn, Barrett emergiu como o líder e principal compositor e cantor nas músicas do Pink Floyd. Canções como "Astronomy Domine", "Interstellar Overdrive" e "Lucifer Sam" ajudaram a definir o conceito da psicodelia britânica.

Ao final de 1967, Barrett já não apresentava condições de acompanhar a banda nas turnês, o que levou os demais integrantes a contratarem David Gilmour para assumir seu posto, enquanto ele ficaria encarregado apenas das composições. O que não acabou dando muito certo, já que em 1968 aconteceu a separação definitiva. Sua última contribuição foi a composição de "Jugband Blues", música que fecha o segundo disco do Floyd: A Saucerful Of Secrets.

Depois disso, Barrett se aventurou numa carreira solo com a ajuda de Waters e Gilmour. Em The Medcap Laughs têm-se apenas o pirado compositor com sua guitarra em músicas mais intimas e confessionais. Barrett é mais bem produzido e dotado de flertes psicodélicos. Ambos foram lançados em 1970 e são os últimos registros de seu nome envolvidos à música.

Syd Barrett faleceu com 60 anos na última semana e será sempre lembrado como uma figura conflituada mas inspiradora para vários artistas, mesmo tendo tido envolvimento com o rock'n roll por tão curto tempo.

Download: O Melhor de Syd Barrett (.rar)

Tracklist:

1. Astronomy Domine
2. Jugband Blues
3. See Emily Play
4. Baby Lemonade
5. Interstellar Overdrive
6. Lucifer Sam
7. No Good Trying
8. Terrapin
9. Bike
10. Vegetable Man

Wednesday, July 12, 2006

Guillemots - We're Here EP

Free Image Hosting at www.ImageShack.us

Eu não canso de falar do Guillemots aqui, e agora trago pra download o segundo single lançado por eles agora no início de 2006. A banda "multi-étnica" baseada em Londres já está estouradaça na Inglaterra com o álbum de estréia Through The Windowpane bem sucedido nas paradas agora na semana de lançamento. We're Here é uma das faixas desse disco e tem uma letra belíssima, falando da vida humana e o que fazemos dela aqui na terra. Os b-sides são muito bons, apesar de I've Got A Problem/Turn The Candles On ser bastante estranha aos primeiros ouvidos. Começando com umas batidas eletrônicas meio tribais que levam a música a um clima meio "trance" e onde os integrantes da banda parecem brincar com os vocais, ela se transforma depois num piano-rock de poucos acordes e muita empolgação. Burnt é mais uma das belas melodias piano e voz de Fyfe Dangerfield, aos moldes de My Chosen One e Falling Over My Feet é conduzida mais uma vez pelos dedos de Fyfe ao piano e tem um ritmo gospel contrastado ao fundo com a guitarra de Mc Lord Magrão no "space-mode" cheia de pirações pink floydeanas.
Monotonia é cantada por nosso compatriota guitarrista em português e é uma faixa bastante experimental com efeitos vocálicos, sintetizadores, percussão leve e que exige um pouco mais do ouvinte. O EP é fechado por uma versão da faixa título com apenas Fyfe e seu piano.
Nãochega a ser um single tão bom quanto Trains To Brazil (que trazia as maravilhosas Go Away e My Chosen One de b-sides) mas Falling Over My Feet tem rapidamente se tornado uma das minhas favoritas dos Guillemots, assim como We're Here que é outra das melhores músicas desse ano (vai ser difícil ter menos de 3 músicas deles na minha lista das melhores no final do ano). Aos curiosos, o link:

Download: Guillemots - We're Here EP (2006)
The Format - Dog Problems

Free Image Hosting at www.ImageShack.us

Eu já mencionei essa banda há alguns posts atrás e hoje trago para vocês, em especial à pedido do Mark do Superbands, o download do novo álbum dos indie-poppers do Arizona: The Format. O disco é povoado de canções prontas para se tornarem singles e estourarem nas rádios, em especial She Doesn't Get It que é pegajosa o quanto pode. Porém, a banda mostra aqui maior maturidade sonora do que em "Interventions And Lullabies", o disco de estréia. A dobradinha Matches/I'm Actual que inicia o cd mostra mais ou menos isso, com bonitos arranjos de pianos, corinhos à capella e orquestramentos. A faixa título Dog Problems também segue essa mesma linha e é uma daquelas músicas perfeitamente enquadradas aum estilo mais "lounge". Mais um destaque que merece ser citada é Time Bomb, uma música com um apelo meio Queen e pop com o mais puro fino trato merecido. Para os curiosos e interessados na boa música aí vai o link para o download:

Download: The Format - Dog Problems (2006)

Saturday, July 01, 2006

Parreira, o Burro. Ronaldo, o Gordo. Felipão, o Mestre.

Image Hosted by ImageShack.us

Só uns breves comentários sobre a copa do mundo. Parreira provou de uma vez por todas porquê é chamado por muitos torcedores de burro. Mesmo após um primeiro tempo com o time apagado e sendo completamente dominado pela França, ele simplesmente volta à formação que não havia dado certo colocando o Adriano no lugar de Juninho Pernambucano. E precisou chegar aos 35 minutos do segundo tempo pra ele se tocar que o Cafu e o Kaká não estavam fazendo absolutamente nada em campo para colocar Cicinho e Robinho respectivamente no lugar dos dois pesos mortos. Uma tristeza também mais uma vez a atuação do Fofolete que só foi nessa copa mesmo pra bater o tal recorde. Aliás, muito estrelismo essa seleção. Definitivamente entraram de salto alto e o "quadrado mágico" tava com nenhuma carta na manga ou coelho na cartola que fosse. Dessa copa mesmo do Brasil só saem de cabeça erguida Lúcio, que provou de uma vez por todas pra todo crítico que é um dos melhores zagueiros do mundo e também Zé Roberto, que foi bastante regular e cumpriu bem seu papel em todos os jogos.

Ainda sobre o jogo de hoje, que baile deu Zinedine Zidane no time brasileiro. Realmente, o velho ainda tem gás pra jogar mais uns 4 anos se quisesse. Mas é bom ele se aposentar já e sair do futebol ainda no auge.

Portugal e Inglaterra fizeram um bom jogo. Não deram um espetáculo mas mostraram muita garra (coisa que o Brasil não mostrou em momento nenhum) e no final prevaleceu a confiança e raça que o Felipão injetou na seleção lusitana. Ricardo saiu como herói indo bem em 3 cobranças e dando aos portugueses uma chance de disputar uma final de copa do mundo. Minha torcida está com eles.


Tapes'n Tapes

Image Hosted by ImageShack.us

Voltando a falar de música, hoje o destaque vai para uma banda de Minneapolis que aos poucos vem ganhando destaque na mídia e no cenário da música independente. O álbum The Loon lançado no finalzinho do ano passado pela própria banda ganhou várias críticas positivas, inclusive uma muito boa da revista eletrônica de música Pitchfork. O som é bastante indie, mistura influências de Beach Boys e outras bandas importantes dos anos 60 como os próprios Beatles com o som de bandas mais anos 90 como Pavement, Built To Spill e Pixies. Recentemente assinaram com o selo inglês XL que lança algumas bandas importantes como The Raconteurs e também lançou o disco solo de Thom Yorke e está para lançar seu álbum mundialmente. O primeiro clipe, da minha música favorita no cd, já está no YouTube e ficou muito legal. Quem quiser conferir é só clicar no link abaixo:

[video] Tapes'n Tapes - Insistor

Agora pra não ficar só nisso também aí vão algumas mp3 para você que quer conhecer melhor a banda:

[mp3] Tapes'n Tapes - The Iliad
[mp3] Tapes'n Tapes - Jakov's Suite


Good Night, and Good Luck.

Image Hosted by ImageShack.us

Esta semana tive oportunidade de assistir ao último filme dirigido pelo George Clooney, que ganhou várias indicações ao Oscar e ao Globo de Ouro esse ano. Mais uma vez fiquei muito feliz em ver que Clooney é muito mais que um médico bonitão de seriado enlatado americano. Apesar de Confissões De Uma Mente Perigosa, primeiro filme com sua direção não ter recebido boas críticas referente a este ponto, eu gostei muito e achei que ele fez um bom uso do roteiro do genial Charlie Kaufman. E desta vez, com participação também no roteiro desta adaptação às telonas do lendário confronto entre aquele que de certa forma é o pai do jornalismo crítico na tv, Edward Murrow, e o senador de extrema-direita McCarthy (não me recordo agora do seu primeiro nome) em meados da década de 50, quando a televisão ainda estava dando seus primeiros passos. O filme não tende em momento nenhum a ser ummero registro biográfico do jornalista, e por isso não faz desviar em nenhum momento a atenção do espectador. Além da idéia genial de rodar o filme em preto e branco, que o dá um charme todo especial.
David Strahairn estava impecável no papel de Murrow e uma pena ter concorrido a uma estatueta com Philip Seymour Hoffman que em Capote teve uma das melhores atuações que eu já vi na história do cinema. Boa Noite e Boa Sorte. é um ótimo filme, e palmas a George Clooney, um daqueles que mostram que ainda resta vida inteligente em Hollywood.