Sunday, October 15, 2006


"We came from Seattle and bring the rain with us"

Com essa frase Warrel Dane trouxe a chuva para um festival que já estava pegando fogo. Em meio a glams, headbangers, metaleiros, sanduíches naturais, pãos de queijo, cerveja, refri, água e muitas, mas MUITAS camisetas pretas, o Metal se fez presente.

Após algumas horas cansativas - porém divertidas - de viagem, chegamos finalmente em São Paulo. Diferente do esperado, as bandas começaram no horário previsto. Massacration abriu o festival, fazendo rir e pular com eles todo o público que já estava ali. Logo após eles veio a primeira decepção do dia. A banda nacional Mindflow não agradou. Fugindo de suas origens "prog" e partindo para um caminho mais power no meio do show para tentar levantar a multidão, acabaram se perdendo nas músicas.

Os californianos do Gotthard entraram com tudo. Mesmo aqueles que não são fãs da banda puderam apreciar seu estilo. Com um front-man impecável e bons solos de guitarra, eles mandaram ver numa platéia que já não se aguentava mais esperando pela primeira grande atração.

Os alemães do Primal Fear que não vinham para o Brasil desde 2004 simplesmente deram um banho!!! Tocando suas músicas do CD "Seven Seals" (seu último trabalho) juntamente com as mais famosas da banda, fizeram o público pular e cantar insadecidamente.

Infelizmente devido à má vontade de meus companheiros e o não-gosto pela próxima banda - After Forever - acabei assistindo o show melódico de uma perspectiva diferente. Saímos do meio da multidão e, sentados, ouvimos a maravilhosa Floor se destacar com um vocal absurdo e presença de palco absolutamente inquestionável. Como eu costumo dizer, nós ainda nos casaremos.. É só uma questão de ela me conhecer. (hAIheoiuAHueAHOUIe)

A rainha do metal apareceu. Após uma apresentação esplendorosa do After Forever, Doro parecia decidida a superá-los. A alemã foi simplesmente impecável. Mostrou porquê tem o título de Rainha e fez o público ferver e pular com vários sucessos.
E então fica a disputa entre a mais linda do evento..
Floor














OUUUU

Doro















E então... o melhor show da noite. Nevermore entrou com tudo. Tocando 4 músicas do álbum Dead Heart in a Dead World e clássicos como "I, Voyager" Warrel Dane e seus comparsas da cidade do grunge - Seattle - mostrou que eles também produzem um ótimo metal.

Saindo dos USA e voltando para o Brasil.. SEPULTURA!! Com o gutural que lhes é peculiar e tudo que é de direito eles ARRASARAM com a Arena Skol. Ao som de "Arise", "Roots, Bloody Roots", "Troops of Doom" e outros sucessos da banda, Derrick Green, Andreas Kisser, Paulo Jr. e o novo baterista só não fizeram chover. Simplesmente fantástico. No primeiro bis do evento, a banda foi ovacionada. E na voz nada gentil do vocalista, confesso que ouvir "SEPULTURA, DO BRASIL!!" é de fazer os pêlos do braço arrepiarem.

A segunda decepção da noite se fez pela Atração Surpresa ter sido André Matos. Mesmo tendo tocado conhecidas músicas da sua época de Angra (Carry On e Nothing to Say) o brasuca não agradou e quebrou o clima da galera que vinha pirada para o próximo show.

Após uma longa pausa e alguns problemas técnicos com os microfones que fizeram o baterista Jörg Michael quase subir pelas paredes, pudemos ouvir o incrível de Stratovarius. Tocando músicas do álbum Destiny's Child em meio a outros sucessos como EagleHeart, os finlandeses conseguiram levantar um público que parecia já exausto depois de 12horas de Rock N' Roll e muito suor. Pra finalizar.. Black Diamond e vários "Obrigado, Brasil" no sotaque europeu.


E pra completar um dia perfeito...
David Lee Roth!!!!
Considerado um dos melhores Front-man do mundo, ele ainda conseguiu arrancar pulos, urros e gritos de "David!! David!!" da galera.

Ao som de composições próprias junto com outras de Van Halen, ele mostrou que ainda está em forma com vários de seus chutes no ar, milhares de roupas um tanto quanto exóticas e uma apresentação assaz!!!

E fim de festival, término de Live n' Louder, muito Rock N' Roll, muito suor, sujeira e gritos.
Mas cada gota disso tudo valeu à pena...

Até a próxima!!!!

Sunday, October 01, 2006

The Rapture - Pieces Of The People We Love

Image Hosted by ImageShack.us

Nota: 8.2

Crítica de: El Beatle Mexicano

Tão esperado sucessor do brilhante Echoes de 2003 que deu esperança aos indies na pista de dança com porradas discopunks como "House Of Jealous Lovers" e "I Need Your Love", o novo Pieces Of The People We Love continua mais ou menos essa linha, com um flerte maior ao funk motown dos anos 60 mas sem perder a cara predominante de uma 80's party. O disco conta com a produção de Danger Mouse, também Gorillaz e em alta devido ao sucesso de seu projeto Gnarls Barkley e é talvez o mais divertido do ano.
"Don Go Do It" abre anunciando o clima anos 80 com uma linha de baixo marcante e lembra um pouco Blondie. O hit do ano vem um pouco depois em "Get Myself Into It": o baixo funkeado e riff à-la Gang Of Four, o saxofone do refrão pegajoso, a letra cativante ajudada em muito aos belos vocais dão vida à fórmula que garante a execução exaustiva da música nas pistas. "First Gear" é uma intensa incursão mais eletrônica da banda, que lembra bastante LCD Soundsystem e à parte do ritmo sensacional, possui uma letra um tanto bobinha mas enfim perdoável.
"The Devil" é um típico punk-funk com traços de motown, cowbells, tecladões anos 80 e linha de baixo pesada. "Whoo Alright! Yeah... Uh-Huh" com esse nome estranho parece ter saído do disco Remain In Light dos Talking Heads, com um riff e percussão muito semelhante aos usados por David Byrne e sua banda no sensacional disco de 1980. No restante do álbum, "The Sound" se destaca pelo pegada punk/new wave bem característica e "Down For So Long" lembra bastante "Sister Saviour" no ritmo, apesar de não contar com a condução dos teclados de sua irmã.
Inserido nessa nova onda da New Rave, o Rapture atendeu bem às expectativas e o álbum é brilhante enquanto dançante, apenas enfraquecido por duas tentativas mais sérias da banda em músicas "lentas" como "Callin' Me" e "Live In Sunshine". Mas em suma, é um baita disco para ouvir e deixar o corpitcho chacoalhar.

Download: Pieces Of The People We Love